Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As pegadas da coelha

"Transforma-te na tua melhor versão"

Love, Coffee and Magic #pararparasentir

IMG_5244.JPG

 

 

 

O nosso segundo Love, Coffee and Magic foi no Meet Parque da cidade do Porto espaço fofinho e acolhedor num dia chuvoso de inverno, numa comunhão com a natureza, com direito a receção e miminhos do gato da casa chamado Meet, para não falar nas natas quentinhas acabadinhas de sair do forno.

 

 

 

IMG_5227.JPGIMG_5232.JPG

 

 

 

Este encontro aconchegante levou-nos naturalmente a um tema de conversa que tem vindo a fervilhar nos nossos pensamentos e que queremos partilha-lo convosco. Tem feito cada vez mais sentido para nós, assim como pretendemos coloca-lo sistematicamente em prática nas nossas vidas. Estamos a falar de encontrarmos momentos no nosso dia-a-dia onde possamos parar apenas para sentir, ou simplesmente nos permitir refletir sobre o que estamos a fazer naquele instante.

Sabem aquela expressão de estar ali de corpo e alma? É isso!

 

O chamado modo piloto automático que toma conta de nós constantemente, tarefa após tarefa, dia após dia, ano após ano, sem que tenhamos muitas vezes esta consciência de que não estamos presentes na maioria das ações do nosso quotidiano. Apesar de permanecermos ali de corpo, o nosso pensamento voa para as coisas rotineiras que temos de realizar à posteriori ou então estamos presos nos acontecimentos do passado, as compras que temos de realizar no fim do trabalho, a vida que queríamos ter, a discussão com a namorada, a reunião que não correu bem...

Vivemos muitas vezes alienados da realidade sem uma consciencialização plena, do corpo e dos diferentes sentidos. Já repararam por exemplo na forma como caminham, como pousam os vossos pés, que movimentos fazem, como se comportam os vossos joelhos, a vossa anca os vossos braços, a vossa coluna?

Falamos em caminhar mas há tantos e tantos outros exemplos simples como:

 

 

  • apreciar uma refeição na sua plenitude, sem estar distraído com televisão e telemóveis;
  • tomar banho e sentir as gotas a caírem sobre a pele, sem voar no pensamento para longe desse momento;
  • esperar na fila de transito e aproveitar esse momento para estarmos a sós connosco mesmos;
  • observarmos as pessoas que todos os dias ao nosso lado (por exemplo no nosso trabalho e que naquele dia tem um penteado diferente, estão mais depressivos...);
  • prestarmos atenção ao meio ambiente, ao que esta ao redor...

 

 

O que nos acontece com a correria do quotidiano é que não retemos a informação, deixamo-la passar despercebida, não apreciamos ou não a usamos para fazer algo de diferente/com valor. 

 

O nosso cérebro, é enganador, esta programado para nos colocar neste modo de piloto automático para salvar a energia, para nos poupar. Por outro lado, o medo que temos de nos revelarmos ao outro, transporta-nos para este estado, para nos protegermos. Se estivermos presentes, se dissermos o que somos, o que sentimos, estamos expostos e por vezes não queremos essa vulnerabilidade.

 

É importante fazermos este exercício da tomada de auto-consciência, pois tudo o que fazemos com este conhecimento será com mais qualidade, seja no cozinhar, no exercício físico, no trabalho, no contacto com as pessoas.... O treino desta observação do aqui e agora vai permitir que coloquemos mais de nós em tudo aquilo que fazemos e para isso é necessário termos consciência de tudo aquilo que nos distrai (telemóveis, televisão, redes sociais...). Não nos permitimos estar no minuto do agora, andamos sempre preocupados com o instante seguinte e com as várias tarefas a desempenhar. Vamos deixar que seja feita uma coisa de cada vez, permitirmo-nos apreciar cada pedacinho de tempo, cada tarefa, desfrutar do presente. Cada momento é único, mesmo que eventualmente se repita de forma semelhante, será sempre diferente e a oportunidade de usufruir do presente é apenas uma. Tão bom usufruir em toda a sua plenitude a maravilha de estarmos vivos! 

O desafio que lançamos é o de vivermos uma vida no presente, com a gratidão.

 

Vamos tirar o pé do acelerador!

 

Nesta nossa partilha sobre o tema, surgiu a referência ao filme Demolição que vos aconselhamos a ver e que mostra exatamente as consequências de viver uma vida focada nas rotinas diárias, deixando de lado a essência da vida.

 

Se eventualmente este tema vos despertou interesse, queremos deixar-vos outras dicas para que possam aprofundar de um ponto de vista mais teórico. A pesquisa realizada pelo Coach americano Richard Leider, que perguntava às pessoas com mais de 65 anos de idade o que fariam elas de diferente se pudessem viver novamente as suas vidas. A principal resposta foi unânime entre todos os participantes de diferentes países, justamente a que acabamos de discutir: parar para refletir!


O movimento slow, é também uma referência que vale a pena conferir. A ideia deste conceito é revolucionar o seu estilo de vida, focando-nos em mais qualidade e não apenas na quantidade.

 

O exercício que vos propomos a fazer como trabalho de casa é o de todos os dias (no final do mesmo) se questionem e respondam à seguinte questão:

 

 

Quanto eu estive presente hoje em tudo o que eu fiz?

 

 

Gostaríamos muito de obter o vosso feedback, de ouvir as vossas experiências, assim como trocarmos ideias e dicas sobre este tema que certamente toca a todos de alguma forma. Aguardamos pelos vossos comentários e depedimo-nos com um xi quentinho nos vossos ♥ ♥ ♥ 

 

 

 

 

*O love♥, coffee and magic é um espaço fofinho, quentinho, confortável, onde pudemos sentir-nos aconchegados e compreendidos. É um projeto do blogue As pegadas da coelha em parceria com a Proposital Coaching.

 

love coffee and magic.jpg

 

 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre a coelha

foto do autor

Pub

Parceiros

lista de parceiros

Vasculhar

 

Correio

Instagram

Facebook

Bloglovin

Follow

Baú

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D