Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As pegadas da coelha

"Transforma-te na tua melhor versão"

Cobre menos e atue mais!

1236704_710483948968718_1321540113_n.jpg

 

 

 

 

Cobranças e mais cobranças a toda a hora e sem dar-mos quase por ela:

Porque não me avisas-te que ias sair com teus amigos?

Vocês foram para a festa sem mim?

Porque não pões fotos comigo no face?

Porque não me convidas para sair?

Nunca me ligas.

Não vieste ao meu aniversário.

Não reparas-te no meu novo corte de cabelo.

Não quero saber se não tens dinheiro, quero ir de férias para o estrangeiro.

Quero fazer amor no mínimo uma vez por dia.

Já tive quem fizesse mais por mim.

Não me fazes surpresas.

Dás mais atenção aos amigos do que a mim.

Os amigos te de estar lá sempre quando precisamos.

 

Pois é, tantas e tantas vezes somos assaltados por estas e outras ideias que tornam os nossos dias e dos outros um fardo pesado.

 

Quem já cobrou hoje?

 

Cobranças estas aos amigos, família, companheiros que não fazem nada mais nada menos do que afastar as pessoas que gostamos de nós.

Eu não sou diferente de ninguém, também o faço constantemente e cada vez mais conscientemente. Para mim está claro que não faz sentido continuar neste registo, são 28 anos a agir desta forma que mudar padrões enraizados não é de todo fácil. Então chego à conclusão que num destes ataques de cobrança tenho de interromper o padrão, respirar fundo, sair de cena se for preciso, tomar consciência desta modo de agir pré concebido e controla-lo.

 

Passando a bola para nós, como é que reagimos quando alguém nos exige algo? Longe... com certeza não ficamos com muita vontade de querer a pessoa por perto.

 

Existem aquelas pessoas que estão lá! Não falham um aniversário teu mesmo naquela noite de segunda-feira, à inauguração do teu novo projeto, à tua apresentação de dança. Estas são as pessoas que se importam contigo e que fazem questão de mostrar que és importante.

Outros há que não pensam desta forma, gostam de nós mas olham para si mesmos em primeiro lugar. Vão antes para a praia na festa do teu aniversário,  preferem dormir cedo em vez de ir à apresentação do teu livro. 

 

O valor que damos a isso depende de nós mesmos e é importante perceber as exigências que podemos deixar de lado e que iriam ferir o nosso coraçãozinho mais sensível.

 

Podemos fazer o exercício contrário e fazer pelos outros o que desejaríamos para nós. Cheguei á conclusão que é uma estratégias bem interessante. Se queremos aquele passeio romântico proporcionamos, se temos saudades daquele amigo, ligamos. Se achamos que temos mimos a menos, dá-mos. Se temos saudades, aparecemos. Pelo menos assim não ficamos em casa a chupar no dedo, a remoer no que não vivemos e pode ser que alguém aprenda com o nosso exemplo.

 

Devemos oferecer o que há de melhor em nós mesmos e reconhecer o que há de melhor no outro.

 

É mais fácil cobrar dos outros as atitudes que por vezes nem nós temos. Fazemos birras e temos comportamentos infantilizados,não seria mais digno aparecermos, telefonar-mos, proporcionar-mos só porque isso é para o nosso próprio bem e não porque esperamos o mesmo tratamento de volta?

 

Faz tu mesmo! 

 

O desenrolar das relações é mesmo assim, se não existe esta reciprocidade pura o tempo encarregar-se-á de dar a esta o resultado natural.

 

Não adianta cobrar aos nossos amigos, ao nosso namorado uma dívida que não lhe pertence. Colamos o peso nas costas do ouro de lacunas afetivas, passados mal resolvidos. Quero que cuides de mim de uma maneira que nem eu mesmo me cuido.

 

Ninguém dá o que não tem!

 

Cobramos, cobramos e cobramos, queremos a perfeição e muitas vezes não valorizamos o que já nos oferecem de melhor.  Dê elogios, é fácil, das poucas coisas que ainda são grátis e tem cá um poder....

 

Para estarmos bem numa relação temos de estar bem connosco mesmos, cuidemos de nós em primeiro lugar para poder estar para o outro.

 

Viver é relacionarmo-nos e quanto mais habilidades desenvolvemos para lidar com as pessoas, mais felizes somos.

A essência está em aprender a respeitar a individualidade do outro, a percebe-lo, para conquistarmos o outros e permitir que o outro nos descubra e conquiste.

 

 

 

Mais sobre a coelha

foto do autor

Pub

Parceiros

lista de parceiros

Vasculhar

 

Correio

Instagram

Facebook

Bloglovin

Follow

Baú

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D