Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As pegadas da coelha

"Transforma-te na tua melhor versão"

Se um coelho incomoda muita gente....

11986454_1270898036260637_4920991463643532999_n.jp

 

 

Irmão é aquele sentimento que não se explica

 

Irmão é aquele ombro que está lá sempre

 

Irmão é aquele ser que te ensinou o significado da palavra dividir

 

Irmão é o responsável por ficares mais pobre quando o assunto é herança

 

Irmão é o responsável por ficares mais rico quando o assunto é partilha 

 

Irmão é o único que nos entende quando se trata das palavras pai e mãe

 

Irmão é aquela designação difícil de transmitir a alguém que não os tem

 

Irmão torna-nos mais fortes nem que seja por desenvolver a capacidade de o aturar

 

Irmão é aquela personagem que se assemelha a ti no feitiosinho de ...

 

Irmão é a mesma pura da loucura

 

Irmão é aquele carinho

Irmão é aquela amizade

Irmão é para a vida....

 

e o meu é o melhor do mundo! 

 

 

Waffles sem essa coisa de glúten

IMG_0274.JPG

 

Há quem diga que não nos precisamos de preocupar com o glúten dos alimentos se não nos for atribuído o rótulo de celíacos, há também quem defenda a posição contrária de que o nosso organismo não foi treinado para digerir todos estes novos produtos  (massas, farinhas...) que não existiam na idade da pedra.

Manias ou não da onda do glúten free deixo-vos uma receita que serve de breakfast, lanche fit ou mesmo para os dias de gula.

Alterei a receita original, retirei açucares e quantidades, pois considero que não é necessário apetrechar a waffle/panqueca ou mesmo crepes, com ingredientes gordurosos ou açucarados se já vamos acrescentar um recheio doce ou salgado no final. Esta receita dá para cerca de 3 waffles e pode mesmo ser usada para panquecas.

 

Ingredientes:IMG_0241.JPG

 

1 copo mais meio de  farinha de arroz 

1 copos leite vegetal (não há cá lactoses)

2 colheres de chá fermento em pó

1 ovo (de preferência de galinhas em liberdade)

1 colher de chá sal

1 colher de chã de stevia

 

Passamos ao processo de confeção dificílimo:

 

  1. Colocar todos os ingredientes no liquidificador, excepto o ovo e misturar durante 1 minuto.
  2. Adicionar os ovos e voltar a misturar.
  3. Aquecer a máquina de waffle ou frigideira antiaderente untada com azeite ou óleo de coco.
  4. Colocar a massa na maquina ou uma pequena quantidade na frigideira e deixar dourar, repetindo o processo de ambos os lados.

 

Quanto à cobertura, resta improvisar a gosto, eu fiz com compota de figo, banana, sementes de sésamo e nozes. Outra opção com mel, canela, frutos vermelhos,sementes de chia e coco ralado.

Ficaram fofinhas como fatias de bolo, nhaaaammmm!

 

 

IMG_0243.JPG

 

" É a indiferença que continua a matar os meninos do Gana" - Alexandra Borges

10177504_546722138778635_6375857321969634377_n.jpg

 

 

Há causas com as quais não podemos ficar indiferentes e a gala que decorreu este fim de semana na Alfândega do Porto, deveu-se ao sonho de um mulher, Alexandra Borges que após participar na grande reportagem da TVI "Infância Traficada" em 2007, não ficou indiferente, ajudou a colocar o Gana no mapa na denunciava a escravatura infantil na pesca do Lago Volta e fez desta a missão da sua vida.

 

Este anjo,  jornalista da TVI  começou por resgatar 3 crianças, prometeu-lhes ser "a voz que lhe tinha sido silenciada", pagava-lhes a educação do seu bolso e acabou por fundar a associação Sorrisos do Coração.

 

Editou livros, escreveu o livro "Resgate" e o o livro infantil “Filhos do Coração” que resultou no nome da Associação, para angariar fundos no sentido de resgatar mais crianças.

 

O projeto Filhos do Coração trabalha no sentido de denunciar a escravatura infantil, resgatar e reabilitar crianças, muitas vezes vendidas pelos próprios pais por menos de 30 euros a traficantes que os revendem aos pescadores do Lago Volta. Crianças essas que desde os seus 4/5 anos carregam as cicatrizes no corpo os maus tratos e do trabalho escravo de 14 horas todos os dias em troco de uma única refeição de mandioca para sobreviver.

Esta associação dá dignidade, educação e usa a arte, como forma de terapia para os traumas, quadros negros onde as crianças vão pintanto um novo futuro, numa tentativa de resgatar pelo menos o possível de uma infância que lhes foi roubada.

A gala contou com a presença de ilustres figuras, destacando-se o humor de Ricardo Araújo Pereira para quebrar o choque dos momentos da gala que nos sensibilizaram pela verdade nua e crua, a simpatia da atriz Ana Sofia, a destreza do pequeno Isaac Carvalho, a música especialmente criada pelos Anjos e Paula Teixeira, as piruetas dos Momentum, a voz inconfundível da Mariza que marcou a gala e arrepiou o público com o tema "Melhor de Mim", entre muitos outros nomes que gentilmente colaboraram por esta causa.

 

De destacar os pormenores dos vestidos dos restantes anjos desta associação, especialmente desenhados para a ocasião que representavam os quadros pintados por estas crianças e por conhecidos pintores. Quadros estes que estão em leilão no site www.amigosdocoracao.org. Esta é apenas uma das forma de contribuir, podem também ser feitos donativos de 25€ isolados ou mensais, adquiridas velas, livros, ou jóias Eugénio Campos desenhadas para esta causa.

Como entoa Alexandra Borges, "é a indiferença que continua a matar os meninos do Gana, e nós, vamos fazer a nossa parte?

 

 Infância Traficada parte 1 - Alexandra Borges

 

 

 

 

 

Óleo de coco - O produto de excelência

IMG_0210.JPG

 

No seguimento do post onde vos falei do meu interesse por esta onda mais natural em termos de alimentação e cuidados de beleza deixo-vos algumas dicas sobre este produto magnifico, que considero ser a grande descoberta desta caminhada, que é o óleo de coco. Deparei-me com várias receitas deste ingrediente, o que despertou a minha curiosidade para as suas propriedades e para as aplicações que parecem ser infindáveis. Não descansei enquanto não o fui adquirir ao celeiro e fiquei fã!

 

É um óleo não refinado obtido por pressão a frio sem recurso a quaisquer solventes durante o processo de fabricação, não contém gorduras trans e é uma fonte rica de triglicéridos, como o ácido láurico e o ácido caprílico.

Usado em muitos produtos de beleza naturais, tem um cheiro muito agradável é livre de conservantes e químicos irritantes a pele.

Como se não basta-se, é naturalmente antibacteriano e antifúngico, excelente hidratante, que pode penetrar no cabelo e pele melhor do que outros óleos. Podemos fazer o nosso próprio produto de beleza e não deixar resíduos químicos ao meio ambiente e na pele, fantástico!

 

Uso-o frequentemente num disco e algodão como removedor de maquilhagem e é muito eficaz, ao mesmo tempo que remove hidrata a pele. No meu caso que tenho pele mista e há dias que até bastante oleosa, melhora bastante o aspeto da pele pela sua composição de ácido láurico. 

Como se não basta-se é ótimo no tratamento anti-rugas usado como um creme facial por exemplo 10 minutos antes de aplicar a maquilhagem. Estimula a regeneração celular, mesmo no contorno de olhos pois contém antioxidantes poderosos.

Pode também fazer-se máscaras faciais bastando para isso uma colher de sopa de mel com uma colher de sopa de óleo de coco, aplique no rosto, deixar 10 minutos e depois enxagúe.

Para hidratar a pele do corpo basta aplicar depois de sair do duche, é rapidamente absorvido pela pele sem deixar gordurosa, ou mesmo no banho de imersão, acrescentar o óleo de coco na banheira para tomar aquele banho digno de uma princesa.

Hidrata também as nossas mãos, deixando-as macias e mesmo as cutículas se aplicarmos todas as noites ou sempre que necessário. O óleo de coco  é também aplicado sobre a pele de seu bebé por ser anti-inflamatórios, anti-séptico e anti-fúngicos é eficaz no combate a assaduras. 

 

Podemos também usar como esfoliante, adicionamos uma colher de sopa de açúcar mascavado a três colheres de sopa de óleo de coco ou mesmo hidratar os cabelos aplicando o óleo de coco nos cabelos lavados e deixar atuar por 20 minutos com toalha quente, depois é só enxaguar e sentir o brilho.

Ainda na vertente capilar é possível usar como serum para pontas duplas aplicando o óleo de coco diretamente nas pontas  ou mesmo para cabelos esvoaçantes, podemos aplicar uma pequena quantidade para conrolar os fios rebeldes. É muito eficiente na eliminação de caspa quando esfregado no couro cabeludo, deixa os cabelos mais saudáveis e pode ajudá-los a crescerem mais rápido.

Usado duas vezes ao dia sobre cicatrizes ajudada melhorar o aspeto, e no tratamento de eczemas para aliviar a coceira e hidratar

Serve também como óleo de massagem, creme depilatório para suavizar a pele ou de barbear, balsamo ideal para os lábios e um desodorizante para pés, para além de pouparmos uns trocos, com um produto mil em um!

Como se não basta-se estimula o metabolismo, o que resulta em melhores efeitos de perda de peso, também aumenta os níveis de energia, o que o transforma no perfeito lanche pré-treino.

Vou ficar por aqui, esta lista seria interminável....

 

Dá para não ter esta relíquia em casa?

 

 

Mãos à obra para Ser Feliz

12144677_1255833467767094_4198926450933807836_n.jp

 

Desde há uns anos para cá e se pensar bem, foi quando na tua vida surge aquele momento em que tens de tomar decisões para ir de encontro aquilo que sonhas para ti, contra tudo e todos, que despoletou esta vontade que tenho de viver a vida intensamente, valorizar quem tenho à minha volta e me apoia (quem sempre esteve lá).

Hoje é mais um desses dias, dia de volta de 180º, pois a maneira mais poderosa de moldar-nos a nossa vida é agir-mos, ações diferentes produzem resultados diferentes e "é nos momentos de decisão que o destino ganha forma". Chega o momento de estabelecer os padrões do que estou disposta a aceitar na minha vida, padrões de comportamento aceitável para mim e o que esperar das pessoas de quem gosto.

Assumir este compromisso de viver a vida de acordo com os mais altos padrões.

TonyRobbins diz-nos que grande parte das pessoas não o faz pois preocupam-se no arranjar desculpas, não atingem os objetivos porque ou não conseguem visualizar a vida que desejam. Associam tudo isto à forma como os pais os tratam,  a falta de oportunidades que sofreram na juventude, na educação que não tiveram ou na idade que tem. Todas as desculpas são sistemas de crenças e não são apenas limitadores, mas destrutivos.

 

"Será hoje o dia em que finalmente decido que o que sou  enquanto pessoa é muito mais do que demonstro? 

Será hoje o dia em que decido de uma vez por todas, fazer a minha vida concordar com a qualidade do meu espírito?"

 

Haverá liberdade maior do que viveres em conformidade com os teus valores/padrões e te assumires como o amor da tua vida na busca do melhor que este mundo tem para nos oferecer e na caminhada para alcançar a tua melhor versão? Caminhada esta que considero não terminar, enquanto respirarmos, pois cada novo dia é mais uma oportunidade para fazermos mais e melhor.

E como conseguimos isso?

 

Na minha perspetiva, rodeando-nos de quem potencia esta melhor versão de nós mesmos e não estou a falar dos nossos mais chegados ou queridos, muitas vezes, por muito boas intenções que tenham, a família ou aqueles amigos, não são o melhor impulsionador para correres atrás do que realmente faz sentido para ti.
São os chamados consumidores de energias e é bom que os saibamos identificar e reunir algumas estratégias para sairmos de fininho quando estiverem a sugar a nossa vitalidade.

 

Aproveito para daqui para a frente partilhar convosco alguns textos sobre estes temas, uma vez que tomei a decisão de após quase 250 páginas, voltar ao início do livro de Anthony Robbins, Desperte o gigante que há em si, pois como não fiz uma leitura contínua, sinto a necessidade de fazer um reenquadramento.

Convido-vos a acompanharem-me nestas leituras, fazerem comigo os exercícios para nos tornar-mos na nossa melhor versão e conto com o vosso feedback, será bem mais interessante esta partilha do que fazer este caminho sozinha.


Uma das regras que este livrinho nos ensina para viver esta felicidade é a de decidirmos aproveitar o que quer que a vida nos dá no momento e para atingirmos o que quer que seja, o truque é decidir o que queremos alcançar, estarmos dispostos a por as mãos à obra vivamente, observamos o que está a funcionar e o que não está, continuar a ajustar as velas até conseguir chegar ao destino, aproveitando os entretantos para apreciar a viagem.
Não vamos a Roma a pé num dia, mas para conseguirmos chegar ao destino tem de existir um querer e traçar-mos o nosso próprio mapa.

 

"Um homem coerente acredita no destino, um homem caprichoso acredita no acaso"
Benjamim Disraeli

 

Todo o ser humano no seu íntimo tem sonhos, a rotina diária e as frustações vão por vezes abafando este querer ao ponto de não nos esforçarmos por concretiza-los, é por isso que nunca alcançamos o que realmente desejamos porque não nos focamos. Perguntinhas chave para alinhar o foco:

 

Como assumir o controlo imediato da minha vida e o que posso fazer hoje que fará a diferença?

Como criar uma mudança duradoura?

 

O ponto de partida é o de nós próprios mudarmos e elevarmos os nossos padrões, tomando nota de todas as coisas que não toleramos, de todas as coisas que aspiramos ser e tomar a decisão de não aceitar menos do que isso.

A segunda pegada é a de alterarmos as nossas crenças limitadoras e desenvolvermos uma certeza/ convicção de que iremos cumprir os nossos padrões antes de os fazermos realmente.

Ao estabelecermos um padrão elevado e nos convencermos a acreditar, é o sentido para descobrirmos as estratégias e o nosso caminho.

"Na vida muitas pessoas sabem o que fazer, mas poucas fazem o que realmente sabem".

 

Mariza - Melhor de mim

 

 

 

Mulher, aquele bicho indecifrável

10422348_1224309750919466_1573614217199222424_n.jp

 

O post de hoje vem no seguimento da conversa de café entre amigos e conhecidos, casados, solteiros, em vias de e os que nem para lá caminham, como é o meu caso. De entre muitos assuntos tinha de vir à baila o tema dos relacionamentos, da estima pelo outro e os agrados. Entre desabafos e opiniões, as divergências sexistas e de gostos pessoais salientaram-se nesta discussão sobre o que queremos para nós e o que nos faz realmente sentir bem.

O dilema é sempre o mesmo, aquele ser composto por alguma matéria extraterrestre alvo de estudos desde sempre, mas que continua indecifrável: A MULHER!

 

Basicamente, somos todas iguais, a costela do Adão era a mesma, fisicamente não diferimos muito o que já é alguma ajuda. Agora o cabo dos trabalhos começa quando as distinguimos em dois grandes tipos: as de sapato Louis Vuitton e as pé na areia, se é que me entendem.

Vocês sabem que exemplar feminino tem ao vosso lado? Ora, pois é, há que distinguir e perceber esse ser estranho e complicado, pelo menos aos vossos olhos.

Há realmente aquelas Evas, bem mais fáceis de agradar, que se contentam com um mimo simbólico da Hérmes, Sain Laurent, um vestido da Channel, uma flor com o anel de 24 quilates pendurado ou um jantar no Maison Pic em França.

Depois há aquelas que não se sabe o que lhes fazer com tanta esquisitice, não lhes chega as opções anteriores e levam um homem à loucura com tanta exigência....

E entender estas criaturas? Um gajo trabalha arduamente, proporciona o melhor de dois mundos e ainda se queixam? Nunca estão bem com nada, querem sempre mais, arranjam sempre defeitos!

Ora vamos la ver se nos entendemos, tentativa n.º 9999999635959575645353427454837384440383735300.

 

Ponto número um, talvez seja importante perceber se estamos na altura certa para assumir este trabalho árduo que é o de estar numa relação com um alien e se a resposta for sim, se estamos dispostos a tentar conhecer e perceber a criatura que caminha connosco, se queremos encontrar um nós no meio de dois seres compostos de matérias tão diferentes e se gostamos deste desafio que é o de agradar e ver o outro feliz. 

 

Se estamos realmente prontos para agarrar o desafio, a chave para o sucesso de uma relação é (rufam os tambores): MIMO! Muito Mimo!

Há-de haver por aí muitas divergências quanto ao significado de mimo, mas corro este risco.

 

Voltando ao convívio no café, pelo que me pareceu tínhamos ali maioritariamente mulheres que não ficam contentadas por receberem dos seus mais que tudo o último modelo do relógio da Elleta, mas sim um tipo mais complicado, as colecionadoras de momentos.

 

Para facilitar a vida de alguns, segue uma pequena lista de ordem aleatória com formas de mimar um ser deste tipo, mas, atenção que estes atos exigem constante dinamização, atualização e variedade, assim como dependem muito das paixões de cada mulher.

Acredito que se as coisas realmente assim forem, é claro, recíprocas o mundo seria diferente:

 

- Ser cavalheiro, naquelas coisas simples que certamente não custa nada fazer (abrir portas, ajudar a tirar o casaco, arrastar a cadeira, colocar o casaco nos ombros quando esta frio carregar as malas, segurar e beijar a mão, ajudar a subir um obstáculo....), só aí ganham logo 100 pontos;

- Acordar o alien com música fofinha de fundo e muitos mimos. É válido também pequeno almoço na cama com morangos e chantili;

- Calice de vinho do Porto debaixo das estrelas ao som dos grilos e das rãs (verificar se gosta do nectar portuense);

- Raptar o alien para um destino diferente ou mesmo sem destino, ao sabor dos apetites;

- Abraços e beijinhos sob um cenário de fogo de artifício (espera-se que não tenha medo dos foguetes, se sim, podem sempre protege-la);

- Passar a noite na falésia sobre o brilho da lua e o som das ondas do mar (atenção às vertigens);

- Dançar na chuva com beijinho, sempre ajuda a baixar a temperatura;

- Cabaninha de madeira com lareira, vinho maduro e alheiras (se não gostar de alheiras, pode ser salsicha de churrasco, chouriça ou morcela);

- Cozinhar a sobremesa favorita dela para esta se lambuzar quando chegar cansada do trabalho, a forma como apresentam a iguaria fica ao vosso critério, se é que me entendem (verificar se ela não está de dieta);

- Há todo um leque de outras opções para além de rosas vermelhas;

- Deixar um bilhete escrito fofinho na mala ou no casaco dela (é permitido ser atrevido);

- Leva-la a ver as Fisgas de Ermelo e no caso de ela tropeçar nas pedrinhas é favor estender a mão para ajudar;

- Olhar nos olhos, ou fazer aquela chamada telefónica inesperada e dizerem aquilo que vocês já sabem (espero eu);

- Preparar um spa em casa e deixem a imaginação fluir;

- Leva-la a comer aquele jesuíta a Santo Tirso, ou a bela da fartura à roulotte da Gina (com vista para a D. Luís no Porto), de preferência na semana do mês dos nervos à flor da pele;

- Atenção a pedidos de namoro e casamento, deve ser inesquecível, mas pela positiva, o cenário terá de ser maravilhoso e certifiquem-se que a criatura vai estar maquilhada e bem vestida para que o registo de imagem fique perfeito;

- Ver o por-do-sol junto ao Senhor da Pedra em Gaia, ou nas dunas mais perto de si, sempre é mais escondido;

- Sessões de cinema com filmes românticos (sensuais) ou comédias com mantas de pelinhos, velas, chocolates ou pipocas.

- Piquenique junto ao rio diurno ou noturno. No caso desta última opção de piquenique por exemplo, basta alterar a designação da frase para ficar mais ao jeitinho do homem: local no escurinho e com árvores para levar a menina.

 

Eu podia estar aqui com uma lista infindável de coisas boas mas, sejam criativos e esmerem-se, basta estarem atentos a quem está ao vosso lado e no meio disto tudo não fica nada caro, poupam uns trocos e a coisa resulta melhor. Qualquer uma das opções anteriores são válidas no sentido inverso, mimos mútuos constantemente, pois todo o mal deste mundo é a falta deles.

Podem sempre não fazer nada disto e depois admiras-te.... Valorizem-se, usem os recursos que este mundo tem para nos oferecer e vivam o momento.

Collecting moments not things!

 

Anda comigo ver os aviões

 

Da bela da posta à mirandesa à erva de lameiro

cruelty-free.jpg

 

 

Desde que há cerca de dois anos comecei a interessar-me pelo vegetarianismo e veganismo, numa vertente alimentar pensava eu, até me deparar com um ciclo vicioso que abrangia todas as ações do meu dia-a-dia.

É realmente uma filosofia de vida, uma comunhão com a natureza e com todos os outros seres que nela habitam. Dei por mim a não dar um passo sem pensar nas questões ambientais e no sofrimento dos animais, no que comia, no que vestia, nos utensílios que usava, até a porcaria da escova de dentes era derivada de animais... É realmente traumático, mais vale ser ignorante! 

 

Este bichinho apareceu através do contacto com amigos veganos e vegetarianos, os livros também são culpados, nomeadamente o Poder Sem Limites do Tony Robbins e como se não basta-se fui cuscar o documentário Cowspiracy o que foi o fim da picada.

 

Mudei completamente a alimentação e fui do 8 ao 300, tirando todos os componentes de origem animal e foi uma fase onde realmente te sentes um alien: "bates-te com a cabeça?", "tira fotos a tudo o que comes, para podermos ter provas do que morreste", "não tens pena da plantas também?", "estas a perder a cor", "temos bifanas, mas se quiseres também há muita erva de lameiro lá fora"...

 

Foi realmente uma fase onde fui acarinhada por todos e mais alguns e onde o simples facto de tomar o pequeno almoço fora se torna um verdadeiro desafio, esquece a torrada com manteiga e a meia de leite, o bolinho de arroz ou a bela da tosta mista. Houve também aqueles episódios e gente que tentou ser querida e me ligaram quando estavam em frente à montra do take-away: "tem filetes de pescada comes, não comes? Não comes... e bacalhau? Olha tem também salmão" :P

 

Com esta mudança radical, lá se foram uns quilinhos à vida e o que é certo é que me senti bastante bem, em harmonia com a vida, mais responsável e bem-disposta. Conheci gente nova e interessante, fui a convívios vegetarianos, workshops, encontrei produtos naturais para saúde, alternativas de cosmética, visitei novos restaurantes e descobri um leque de sabores, ingredientes e temperos.

 

Ao mudar de emprego tive de repensar os meus novos hábitos, pois deixei de ter tempo para pesquisar sobre nutrição e receitas, não conseguia preparar as minhas refeições, tinha de me contentar com o que os restaurantes me podiam oferecer, salada de alface e tomate, que tanta vez me sujeitei. A rainha lá de casa, apesar de esforçada e com muito boa vontade não tinha conhecimento deste tipo de alimentação, conjugado com a minha falta de disponibilidade decidi voltar a implementar derivados e peixe na alimentação para não descompensar nutricionalmente.

 

Para felicidade de muitos, deixei de ser tão rígida no que se refere à ingestão de carne, embora ainda a restrinja em casa, mas em ocasiões especiais de convívio abro exceções para não ser o empecilho.

Fiquei feliz por conseguir pelo menos levar umas mentes mais teimosas a experimentar novos sabores e a respeitarem um bocadinho mais a minha decisão. Pena que não hajam grandes opções para alimentação vegana na restauração, nas antinas e que a mentalidade ainda esteja muito aquem do esperado.

 

Foi de facto uma experiência muito enriquecedora, numa onda muito natural que espero agora voltar a dedicar-me mais, pelo menos no que toca à alimentação, cuidados de saúde e beleza. 

Vou partilhando alguns posts sobre o tema e espero que partilhem comigo as vossas experiências nesta onda de Cruelty Free.

 

 

10268616_1332837693400004_3680219304459750881_n.jp

 

 

 

 

Agora deu-me para as panquecas

IMG_0091.JPG

 

Com a despensa quase vazia, com um direto do rali para ver e com aquela fooommmmeeee, restou improvisar com o que há. Panquecas era a opção ideal para calmar a fome e a gula.

Na falta de farinha de arroz, na onda do gluten free, teve de ser mesmo farinha de centeio. Esta receita não leva ovos, é cruelty free, toca a poupar os animaizinhos.

 

Ingredientes 

  • 1 chávena de farinha de centeio;
  • 1 chávena de flocos de aveia finos;
  • 2 c.sopa de linhaça moída;
  • 4 c.chá de fermento em pó;
  • pitada de sal;
  • 1 + 3/4 chav de bebida de arroz (ou outra semelhante);*
  • 2 c.sopa de adoçante natural,eu prefiro mel, dá aquele sabor característico à panqueca
  • 1 c.chá de essência de baunilha, ou raspa de laranja

*3/4 chávena chá = 190 ml = 12 colheres de sopa

 

Mãos à obra:

  1. Misturar os ingredientes secos numa tigela grande;
  2. Acrescentar os ingredientes húmidos e envolver;
  3. Aquecer uma frigideira anti-aderente e barrada com óleo de coco ou azeite;
  4. Colocar 2 colheres de sopa de massa na frigideira em lume brando, cozinhar até formar bolhas e dourar;
  5. Virar a panqueca com cuidado para cozinhar mais uns segundo e repetir a sequência.

 

Cobertura:

 

Utilizei iogurte de soja de aromas, sementes de chia, amêndoas laminadas, banana e morangos.

Fiz também outra opção muito boa com mel e canela, para a Queen´s Home, que é como quem diz mãe, que lambuzou os beiços ;)

 

Desfrutem o momento e façam assim miminhos simples para os vossos mais queridos e para os menos queridos também para ver se lhes adoçam a alma.

 

 

The End, para o ano há mais!

IMG_9957.JPG

 

Como se costuma dizer: o que é bom acaba depressa e assim terminou mais uma edição do Rali de Portugal com uma boa dose de adrenalina, convívio e boa disposição.

Foram dias inesquecíveis pela paixão do desporto automóvel, mas também pelo espírito explorador, pela bela da tainada e pelo convívio. Desde toda a ansiedade dos dias anteriores, preparação do farnel à escolha dos melhores spots, tudo faz parte desta grande festa que só os doidos por rali entendem.

Foram noites a dormir poucas horas, levantar cedinho para no dia seguinte estarmos lá, em primeira mão para respirar o primeiro pó do dia, autografado pelo Sébastien Ogier a rasgar o percurso. Corremos as capelinhas todas de Caminha à Cidade Invicta, por montes e vales e vales e montes, colocamos os geeps em situações críticas devido à teimosia do piloto e dos navegadores patrocinados pela Sagres. eheheh Saímos todos ilesos, ou melhor quase, excepto da nódoa negra que tenho na perna esquerda graças à pedrada da passagem do Sordo, mas não faz mal, sinto-me lisonjeada pela marca oficial. :P

Hoje não fui a Fafe, imperdoável decisão e por isso apenas posso nomear o Sábado como o melhor dia das nossas pegadas. Dia em que éramos mais que as mães, das picadas de geep por trilhos (ou falta deles) que não são para meninos, pelo pé no mato numa de trail run em busca da melhor vista do troço, pelas paisagens deslumbrantes, pela hospitalidade do nosso guia de trilhos Luís Matos (ex-piloto e caminhante) e claro pela bela da ginjinha feita daquela árvore ali em frente no quintal.

 

IMG_9992.JPGIMG_0055.JPG

 

gjgg.jpg

 

É indescritível a sensação de juntar duas paixões, o trail e o rali numa só edição. Embrenhar-nos na natureza para aceder à plateia virgem, spot só para nós!!! :) Só para nós, até a organização descobrir e nos proibir de pisar o mesmo terreno nas próximas edições. Ainda bem que a PIDE não descolou por causa do nevoeiro ;)

Não faltou nada neste wrc como já é tradição, nem o incêndio florestal, desta vez provocado por Hayden Paddon que o afastou da competição. Tal como antevia Ogier (3.º classificado), foi mesmo difícil assegurar mais uma vitória em terras lusas, passando a pasta a Meeke Kris e Nagle Paul do Citroën DS3 WRC. Mikkelsen assume o 2.º lugar e Sordo a 3ª posição a frente de Eric Camili e Latvala ao lugar 6 da tabela.

 

Mais uma vez mal pusemos os olhos no Evo de Vitor Ribeiro e Valter Cardoso, mais vale começar a fazer promessa antecipada para a Santinha da caixa de velocidades e para o Senhor dos Aflitos. 

Deixo-vos mais algumas fotos e vídeos destes dias de maluquice no instagram e página de facebook.

 

 

IMG_1767.JPGIMG_0004.JPG

 

IMG_1718.JPGIMG_0068.JPG

O tão esperado dia

IMG_1640.JPG

 

Foi no kartódomo de Baltar que iniciou o tão ansiada festa do wrc. Levantar cedo da caminha e com cara de felicidade, não seria certamente para trabalhar ehehehe. A fila de transito circundava os acessos à pista, começou a surgir aquele nervoso miudinho para chegar a tempo de ver os primeiros arranques dos motores, após a correria e os atalhos improvisados, lá chegamos e com acesso a vista era privilegiada.

Privilegiada foi também uma espectadora que se pode dizer que viu e sentiu as estrelas do rali, ganhando quatro pontos na cabeça após ser atingida por uma pedra à passagem de um dos carros de competição. Já para não sofrer do mesmo mal (na verdade não consegui bilhete), acompanhei a SS1 Lousada em casa na companhia da RTP2 e das panquecas integrais. 

Sébastien Ogier (tri-campeão do Mundo) lidera até ao momento o WRC Rali de Portugal 2016, tendo a tarefa de se manter na frente dificultada, por ser o carro de abertura dos troços no dia de amanhã. O meu favorito, o homem que dá o verdadeiro show, Dani Sordo, encontra-se na terceira posição, seguido de Thierry Neuville.

Fica a sugestão para acompanharem o wrc também a partir o link https://www.youtube.com/watch?v=CGK096NDWNg

Continuo sem perceber o porque de não serem transmitidas as restantes provas... eu que queria ver os tugas.

 

uhuhh.jpg

 

Pág. 1/2

Mais sobre a coelha

foto do autor

Pub

Parceiros

lista de parceiros

Vasculhar

 

Correio

Instagram

Facebook

Bloglovin

Follow

Baú

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D